Filme Jogo Perigoso sai do óbvio e surpreende com a própria realidade!

by

Confesso que não tive receio nenhum para assistir ao filme “Jogo perigoso”, exceto de que estava em casa com os meus pais, então aquilo poderia ser quente demais. Pelo menos era o que a capa do filme no Netflix me indicava. Mas isso só durou 15 minutos e eu já estava começando a desconfiar que não se tratava apenas de uma aventura amorosa, era muito mais que isso.

O filme é uma adaptação do livro de Stephen King, com o mesmo nome, lançado em 1992. Então, óbvio que não se tratava de um filme de romance, estava claro que seria, de alguma forma, assustador. Assista ao trailer abaixo:

A história do filme Jogo Perigoso

O pontapé inicial para o começo do filme Jogo Perigoso se encontra na necessidade do casal Gerald Burlingame, interpretado por Bruce Greenwood, e Jessie Burlingame, interpretada por Carla Gugino, de colocar um gás na vida sexual deles, que estava um pouco parada.

Eles são um casal mais velho e pelo que você vai entendendo ao longo do filme, ela não era muito de contestar as situações e fingia não saber o que estava acontecendo ao seu redor.

Isso foi apontado, por exemplo, quando soube que seu marido estava com a receita do viagra, remédio utilizado pelos homens para apimentar a relação, e não contestou a escolha do marido. Porém, o remédio pode trazer muitos efeitos negativos dependendo de outros quadros da saúde de quem o ingere, um deles foi apresentado no filme.

Amarrada na cama

No começo de Jogo Perigoso, eu imaginei que se tratava de um 50 tons de cinza. Isso porque o marido de Jessie a prendeu na cabeceira da cama utilizando algemas.

Eles decidiram passar o final de semana em um sítio no meio do nada, em que o próximo vizinho estaria há 7 km de distância. Isso tudo para conseguirem, realmente, transformar vida sexual deles.

Até ali, estava tudo bem. Depois ele começou a pedir para que ela simulasse que estava em perigo ao pedindo socorro. Mas Jessie começou a ficar desconfortável com aquela situação e pediu ao seu marido para parar.

O problema é que ele achou que ela estava apenas entrando no jogo. Já que eles não tinham nenhuma palavra ou gesto que mostrasse que o outro estava querendo parar a fantasia.

Assim, ela começa a estranhar esse desejo sexual do seu marido que seria o de estuprar alguém. Isso também a deixa sem compreendeer com quem realmente se casou. A partir daí já começamos a notar que talvez a relação sexual dos dois não seja o ponto alto do filme. Tem algo mais para acontecer.

Gerald? Você está acordado?

Após decidir parar com aquela fantasia do marido, Jessie e Gerald começam a conversar sobre o casamento deles. Até que finalmente acontece. Gerald tem um ataque do coração e acaba morrendo. Tudo indica ser uma reação do remédio nele. Neste momento, ele cai da cama e sua mulher começa a gritar o seu nome, ainda algemada.

Até que percebe que o marido não vai acordar mais quando vê uma mancha de sangue ao redor da cabeça dele.

Agora o seu marido estava morto e ela precisava conseguir as chaves para se desprender da cama e conseguir ser ouvida ao gritar por socorro.

Sem vizinhos e sem ajuda

Ela estava presa na cama com duas algemas. Daqui a pouco tempo ela estaria com sede e precisaria se alimentar também. Mas como sairia dali? Como conseguiria se soltar das algemas se as chaves estavam longe demais para alcançar?

Jessie passa as primeiras horas gritando por socorro e enquanto grita a câmera vai se distanciando dela e indo para fora da casa. Ela estava gritando alto, mas, do lado de fora, não dava para escutar nada. Ninguém ouviria o pedido de socorro dela.

Cachorro malvado!

Antes de chegarem na casa, Jessie e Gerald quase atropelaram um cachorro que estava se alimentando de um animal na estrada. Jessie ficou com pena do cachorro e aquela situação se tentar “salvar o animal” e o “levar pra casa” parecia ser comum para eles. Como se ela tivesse essa mania de levar cachorros perdidos para dentro de casa. Mas, dessa vez, Gerald não deixou que ela fizesse isso.

Ao chegar na casa, Jessie foi direto para a geladeira e pegou um pedaço de carne para atrair o cachorro. Ela queria alimentá-lo. Talvez essa não tenha sido uma das melhores escolhas de Jessie.

Quando Gerald foi buscá-la do lado se fora e há um plano apenas para mostrar que a porta tinha ficado aberta, meu coração já deu aquele toque: vai acontecer algo ruim com esses dois. Que ideia foi essa de deixar a porta aberta?

Mas deixaram e como você já sabe, agora Jessie está algemada em casa e, o pior, com as portas abertas. Quem será que entrará? Será que para ajudá-la ou não?

Por isso eu não esperava

Ao longo dessa espera por socorro, Jessie começa a ter alucinações. Ela vê o seu marido e depois a si mesma. Tudo isso como se ela fizesse uma reflexão sobre a própria vida e os seus medos.

Mas ao longo do filme vamos notando que acontecimentos do passado de Jessie ainda a perseguem. Os questionamentos que ela fez sobre conhecer ou não quem era o seu marido, se voltaram para ela. O que ela estava escondendo? O que a fez parar e não prosseguir com o jogo proposto pelo marido?

Essas são duas perguntas que se seguem ao longo do filme Jogo Perigoso e o que mais nos faz pensar é que talvez ela esteja refletindo sobre sua vida porque irá morrer. Como se estivesse apenas em um rito de passagem, a espera de nunca mais acordar.

Mas não é isso o que acontece.

A história que pensamos ser apenas da cabeça de Jessie, com toda essa troca de falas entre ela e seu marido morto no quarto, se transforma em algo mais. Ela não estava tão louca assim quanto parecia.

Conclusão

Adoro filmes em que pensamos que está acontecendo uma situação e depois tudo vira de ponta cabeça. O famoso plot twist. No filme Jogo Perigoso isso acontece de uma forma que mistura a ficção com a realidade. Com isso, nos faz pensar a todo instante: ele era real mesmo? Era de verdade? Exatamente. E terminei o filme de “boca aberta” e, claro, feliz de tudo não ser tão fictício assim.

Apesar disso, no final, vira mais um filme adolescente de superação de medos. Com até aquele famoso clichê em que você “ridiculariza” quem você mais teme para mostrar que não sente mais nenhum medo. Blé, mas necessário para finalizar a história.

 

Já assistiu ao filme Jogo Perigoso? O que mudaria nele? Mande nos comentários!

Beijos,

-Aninha Carvalho

No Comments Yet.

What do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *