O que há por trás do filme iBoy da Netflix?

by

No dia 27 de janeiro (dia do meu aniversário!) a Netflix lançou um filme chamado iBoy, dirigido por Adam Randall. O nome pode ser bem blé de primeira e parecido com o iPhone. Mas é bem por aí mesmo. E já já vocês entenderão o motivo.

Se você curte assistir aos atores de suas séries preferidas em outros projetos vão adorar acompanhar a Maisie Williams, Arya, da família Stark de Game of Thrones. Ela interpreta a jovem Lucy no filme iBoy.

maisie-williams-in-iboy.png

Lucy é interpretada pela mesma atriz que faz a Arya em Game of Thrones

História do filme iBoy

Tudo começa encenando um velho clichê de amor adolescente. Em que um menino ama uma menina, mas não tem coragem de falar isso pra ela. Apesar de todo mundo saber, inclusive ela.

Tom, interpretado por Bill Milner, e Lucy são amigos e moram em um enorme condomínio. Preste atenção aos primeiros minutos do filme, farão toda a diferença para entender o desenrolar da história. Isso porque tudo acontece muito rápido.

Lucy convida Tom para ir estudar na casa dela. Ele aceita. Porém, algo estranho acontece. Relaxa, não é nada clichê a partir daqui.

Quando chega ao apartamento de Lucy, seu irmão está deitado todo ensanguentado. Uma luz sai da entrada do apê dela. E uns garotos saem em seguida pela porta segurando um celular e escondendo o rosto. Quando Tom os vê sai correndo e liga para a polícia.

boy

Tom é o único que visita Lucy depois do que aconteceu. Eles ficam bem fofinhos juntos <3

Mas, o que aconteceu com o Tom?

Enquanto está correndo e com o celular no ouvido, ele leva um tiro dos que estavam na casa de Lucy. E cai no chão. O garoto acorda uns 10 dias depois no hospital. O médico disse ter encontrado vestígios do celular no cérebro dele. Tipo o que?

Quando ele volta para casa, percebe que está diferente. É como se ele pudesse se conectar com a tecnologia. No início ele se incomoda um pouco, mas depois começa a ter um contato maior com os aparelhos tecnológicos. Ele passa a conseguir controlar todos os aparelhos com a mente.

boy

Essa cena dele voltando para casa e de toda a cidade assim é incrível.

Quando ele volta para a aula percebe que os garotos, que invadiram o apartamento de Lucy, gravaram tudo o que aconteceu. Eles estudavam com ele e moravam no mesmo condomínio ainda. O jovem começa a querer se vingar de todos, mas agora como iBoy.

A partir daqui dá para tirar suposições do que tinha acontecido no apartamento de Lucy, mas no início eu imaginei que estivessem apenas dando um susto no irmão de Lucy. Não imaginei que tivessem realmente feito algo com a garota. Mas talvez tenha sido esse algo que motivou toda a reação do Tom.

Hacker?

Quem aí já ouviu falar em um jogo chamado Watch Dogs? O meu namorado notou que o filme faz referência a esse jogo de hacker. Vimos um game play e é, realmente, muito parecido mesmo.

Conseguimos baixar para jogar no playstation 4. Tem como jogar por 3 horas a demo do jogo completo. Olha só esse vídeo do Jovem Nerd jogando para vocês terem uma ideia de como é.

Mas o que os garotos fizeram com a Lucy?

Há uma gangue envolvida com drogas e assaltos que tem como membros os jovens que moram no condomínio. Logo no início do filme notamos que o melhor amigo de Tom, também faz parte dessa turma. Ele entrega ao amigo um celular roubado.

Pelo que deu para entender, o irmão de Lucy estava envolvido com drogas e devia dinheiro ou então não quis entrar para a gangue.  Então, os garotos foram lá para assustar. Mas não era para terem feito nada com a menina.

Muito atual

Esse filme faz referência a algo que tem acontecido com muita frequência atualmente: os estupros que são filmados.

Podemos ver casos como esse no filme Doce Vingança (2010), com direção de Steven R. Monroe. Nele eles também filmam enquanto estão estuprando a escritora Jennifer.

Ou até como acontece em diversos casos da vida real mesmo. Como ficamos todos assustados com o estupro coletivo que aconteceu com uma garota no Rio de Janeiro, que foi estuprada por 30 homens. Ou até casos em que fazem live no Facebook cometendo essas atrocidades.

Fica mais claro que os garotos fizeram isso apenas no final do filme. Isso, também se trata de um estupro coletivo. É possível notar o quanto Lucy ficou afetada, mas ela não fala sobre isso em momento nenhum até ficar em frente aos garotos. Assim, ela questiona sobre isso, fala que eles cresceram juntos (!) e que não fazia o menor sentido eles terem feito isso com ela. Mas, claro, mesmo que não se conhecessem, não faria sentido nenhum fazerem isso com ela.

iboy-maisie-williams

Lucy corre perigo em frente aos que a estupraram no início do filme

E o filme acaba sendo bem uma alusão à Doce Vingança. Mas dessa vez é o próprio iBoy e não a jovem que vai atrás da vingança. E, claro, sem nada assustador. Afinal, o filme é uma mistura entre ficção científica e ação.

Como é a vingança?

O iBoy não tem nenhum poder especial que envolva muita força como os super heróis. Apesar, de ser considerado o primeiro super herói dos filmes do streaming. Então, o poder que ele tem envolve entrar em aparelhos celulares, televisores, tudo que envolva tecnologia e, assim, controlar para que façam o que ele deseja.

Quando ele descobre que consegue mandar mensagens anônimas com a mente, ele entra em ação. Primeiro com Lucy e falando que vai proteger a garota. Depois ameaçando os caras que invadiram a cada dela. Aí vira tipo uma “A” de Pretty Little Liars com as mensagens anônimas.

Em uma das noites ele até assombra os garotos e depois ordena que dêem os nomes de quem foi que mandou fazer aquilo na casa da Lucy. E é uma das cenas mais legais do filme.

Todo mundo começa a conhecer o tal iBoy. Ele começa a postar os vídeos do que ele faz com os garotos na Internet e a ganhar vários fãs. Porém, a própria Lucy não acha que ele esteja fazendo isso por ela. Mas sim, por si próprio.

Afinal, na noite em que os garotos entraram na casa de Lucy, ele não encarou nenhum. A reação que ele teve foi correr deles. É como se ele estivesse fazendo tudo para provar para si mesmo que não é tão covarde assim.

Trailer do filme iBoy

Conclusão

A temática do filme bem diferente e inusitada, não li o livro mas fiquei bem curiosa para ler. O que me incomodou foi que poderia ter ficado mais claro no início o que aconteceu com Tom. Não sei se um médico falaria com tanta calma que “tinham vestígios de um celular no cérebro de alguém” e o liberaria para ir para casa. Acho que essa parte poderia ter sido mais trabalhada.

Quando ele volta ao médico e pede para que tire o restante dos vestígios, ele revela que seria uma cirurgia muito arriscada e que não faria.

No início imaginei que seria interessante se o médico buscasse saber o que realmente acontecera com Tom. Mas, nesse momento, parece que fica subentendido que seria necessário um outro médico. Seria melhor um psicólogo ou psiquiatra, do que um cirurgião. Como se ele estivesse falando para Tom que ele teria que aprender a viver com aquilo. Afinal, não tinha mais volta.

Coloquei abaixo as falas da cena de quando Tom retorna ao médico.

iboy-cena-medico

CENAS: Reprodução Netflix

Inspirações

Então, podemos concluir que o filme possui duas inspirações principais. Ele é baseado no livro com o mesmo nome, iBoy, de Kevin Brooks. Além disso, nos faz lembrar muito o jogo Watch Dogs, em que é possível controlar tudo a sua volta através de um celular, com um hacker.

Além disso, ele trás alguns vestígios do filme Doce Vingança, mas com algo bem mais tecnológico que assustador. Ah! E não podemos esquecer das mensagens anônimas, bem Pretty Little Lias. 😉

Então, é isso, espero que tenham curtido a resenha de hoje. Se vocês já assistiram comentem aí para descobrirmos mais detalhes ainda desse filme.

Até amanhã com mais postagens no Blog!

Beijos,
-Aninha Carvalho

FOTOS: Blog A Gambiarra, The Telegraph e Netflix

13 Responses
  • samuel
    fevereiro 7, 2017

    1. Bom dia! O nome da família dela no GoT é Stark e não Spark. 2. Se for comparada ao primeiro watch dogs.. a série é bem fraca, o segundo game está prometendo ser bem bacana. 3. Sugiro review da série do Tom Hardy, Taboo (FX/BBC). Começa lento, mas melhora.

    • Ana Clara Carvalho
      fevereiro 7, 2017

      Ei, Samuel. Obrigada pelo toque, deve ter sido um erro de digitação, troquei o t pelo p (mas elas são bem distantes, talvez tenha confundido também! haha). Me desculpe por isso, já arrumei na postagem.

      Não sei como era o primeiro Watch Dogs, mas acho esse bem divertido. E o tanto que os personagens da cidade são ativos e como você pode mudar a vida das pessoas no jogo. Bem legal.

      Vou dar uma olhada nessa série, dependendo rola post sim!

      Obrigada

      • samuel
        fevereiro 7, 2017

        Bom demais Ana! Continue com a página! Aguardamos novos posts.

  • Paulo de Tarso
    fevereiro 7, 2017

    Acho que ele correu no início pois os caras estavam armados.
    Ele não tinha opção.
    Se ficasse ia ser um refém.
    Se corresse ia correr risco de ser baleado mas poderia avisar a polícia.
    Acho que ele escolheu a alternativa mais corajosa.
    Correu para tentar buscar ajuda, mesmo sabendo que poderia (e foi!) baleado.

    • Ana Clara Carvalho
      fevereiro 12, 2017

      Verdade, super concordo. Acho que faria a mesma coisa que ele fez. Só que ele mesmo que ficou se culpando por não ter enfrentado os meninos. Acho que foi por isso que resolveu se vingar e assim mostrar para si mesmo que é corajoso.

  • Brenda
    fevereiro 10, 2017

    Boa noite! Primeiramente feliz aniversário atrasado! Eu não conheci esse filme da Netflix, mas fiquei na curiosidade kkk. Beijos.

    http://www.brendacaroline.com.br

    • Ana Clara Carvalho
      fevereiro 12, 2017

      É bem legal! Acredito que você vai curtir bastante! Depois me conta o que achou!

  • Lucas
    fevereiro 12, 2017

    Achei interessante apesar de vários furos na história… Do nada o cara que nem conhece ele descreve os “tais” poderes… Partes do filme ficaram bem vagas, parece que faltaram cenas pra amarrar a história.

    • Ana Clara Carvalho
      fevereiro 14, 2017

      O cara da gangue que você fala? Então, são os rumores que rolavam sobre ele. o Daniel, amigo do Tom, deve ter contado isso. Mas também tinha o site com os vídeos sobre o que o iBoy estava fazendo com os meninos da gangue, as mensagens e tal.

      Mas concordo, acredito que o período entre o acidente e ele descobrir os poderes poderia ter sido mais gradual.

  • Marcus Rios
    fevereiro 13, 2017

    Acho que ficou bem claro desde o início o estupro. Na verdade, a motivação não foi dívidas do irmão, e sim que ele não quis entrar para a gangue e a punição foi o estupro da irmã.
    Outro detalhe: O médico quando diz ao Tom que não é o médico adequado está fazendo referência ao médico psiquiatra. Ou seja, ele quis dizer ao Tom que seu problema não era bem os fragmentos, e sim psicológico / psiquiátrico, sugerindo que ele procurasse outro tipo de ajuda que não cirurgia.

    • Ana Clara Carvalho
      fevereiro 14, 2017

      Obrigada, Marcus. Alterei alguns detalhes na resenha. Só não consegui encontrar a cena explicando o motivo da entrada na casa do irmão da Lucy ainda. Vou rever e acrescento.
      Se lembrar de algo mais é só mandar aqui!

  • glaysson sousa
    fevereiro 18, 2017

    vc conseguiu entender quem filmou o estupro?

    • Ana Clara Carvalho
      fevereiro 18, 2017

      Sim, foi o “melhor amigo” do iBoy, Daniel, aquele que falava pra ele deixar pra lá e esquecer o que rolou. Ao final do filme o iBoy conversa com o Daniel e comenta com ele que correu atrás de todos os que apareciam no vídeo, mas esqueceu de ir atrás de quem estava filmando.

What do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *